Na imprensa

O mercado imobiliário no mês de março em Espanha

Em março, os últimos resultados pendentes dos investidores eram conhecidos, e o impacto da terceira onda sobre o investimento no primeiro trimestre de 2021 começou a ser quantificado. As operações relacionadas à promoção para arrendamento ou construção para build to rent preenchem quase a totalidade de espaço de investimento e ainda se aguarda a Lei da Habitação .

 

Empresas

Neinor Homes, Vía Célere, Aedas Homes e Asprima garantem que o setor superou bem a crise da Covid e, desde setembro, venderam mais habitações do que em 2019, de acordo com os seus administradores, segundo  o primeiro encontro B-Talks organizado por Brainsre.news Espanha.

No que diz respeito às empresas, foram conhecidos os seus resultados como o da Vía Célere, a promotora controlada pela Värde obteve um lucro líquido de 49,7 milhões, 121% mais que em 2019 , e aumentou o seu rendimento em 81% para os 657 milhões. O promotor contará para o seu salto no negócio de arrendamento, com o financiamento de 300 milhões obtidos com a sua inovadora emissão de obrigações verdes, a primeira do sector na Europa .

A Premier, promotora francesa, faturou 128 milhões em 2020 com a venda de habitações Espanha. Por sua vez, o servicer  Haya reduziu a sua receita em 40%, para 177 milhões em 2020. O Socimi Millenium perdeu 15 milhões em 2020, apesar de aumentar a sua receita em 77%.

Março também foi o mês em que a Culmia mostrou uma atividade agitada para se posicionar no mercado, além de anunciar novas junções focadas na área de marketing e comunicação, a empresa fechou uma grande operação, uma venda recorde de terrenos para a Via Célere , e revelou os seus planos em Build to Rent. Assim, a imobiliária do fundo Oaktree  acaba de fechar a venda de 210 casas para arrendamento, em Barcelona, à DWS por 80 milhões de euros. E pretende aumentar o portfólio para mais de 1.000 habitações.

 

Outra empresa que está a iniciar o seu percurso é a Vía Ágora, o seu CEO e também presidente da Asprima e da APCE, Juan Antonio Gómez-Pintado, anunciou que está a iniciar a reabilitação com a sua nova empresa habitacional industrializada. E em linha com o entusiasmo sobre o desenvolvimento do arrendamento como um negócio, Darya e a sua administradora e investidora Dazia Capital estão a lançar duas novas linhas de negócio para arrendamento de curto e médio prazo e promoção de arrendamento, com um investimento planeado de 300 milhões de euros. Do mesmo modo, a Sonae Sierra anunciou que irá promover uma  empresa com uma nova marca para o desenvolvimento de habitação e residências estudantis .

Em março, continua a aposta de fundos internacionais, ou a intensificação dos seus investimentos em Espanha. Assim, a Gresytar, empresa norte-americana, destinará 100 milhões para a compra de novos ativos e 200 milhões para o desenvolvimento imobiliário de projetos build to rent.

A empresa cotada Cofinnimo negocia a aquisição do portfólio da Vega, com 18 residências em Espanha e uma segunda em Itália, com 6 ativos, por um valor próximo a 350 milhões. A Blackstone colocou à venda parte do seu portfólio de habitações para arrendamento em Espanha.

Também há espaço para novas empresas: Alantra e os ex-fundadores da Aelca unem-se para lançar o seu gestor imobiliário. Por fim, a Metrovacesa irá propor à assembleia geral, que se realizará no dia 5 de maio, o pagamento de um dividendo de 0,40 euros por ação, 60 milhões no total.

 

Residencial

O investimento residencial tem canalizado 38% do capital investido até 1 de abril, com 705 milhões de euros , segundo dados do BNP Paribas Real Estate, e ainda assim, o montante total caiu pouco mais de 30% face ao quarto trimestre de 2020, impactado pela terceira onda e pela incerteza instalada na economia. Ainda é interessante analisar questões como: Comprar para arrendar, ainda é tão lucrativo quanto antes da Covid?

Neste mês, já se conhece o impacto total do desaparecimento do investidor internacional do mercado residencial: assim, a compra de residências por estrangeiros cai 25% em 2020 para 47,5 mil operações. 11,3% das compras totais corresponderam a compradores internacionais em 2020, em comparação com 12,6% em 2019, de acordo com os registos.

As operações de maior destaque foram a aquisição pelo Grupo Lar y Primonial de cinco projetos “chave na mão”, consistindo em 655 habitações da Aedas Homes por um valor de 120 milhões de euros, e a compra de um portfólio de 400 casas por parte da Neinor Homes, por um volume aproximado de 58 milhões de euros.

Além disso, a promotora  Vía Célere  continua a apostar fortemente no negócio de build to rent e para isso selecionou terrenos em Madrid, Málaga, Valência, Sevilha e Baracaldo (Biscaia), onde desenvolverá um portfólio com 2.432 habitações para arrendamento.

 

De referir ainda a recente aquisição pelo DWS (Deutsche Bank) de um empreendimento Build to rent na Marina del Prat Vermell (Barcelona) , constituído por 210 habitações, pelo valor de 80 milhões de euros, ou a compra de um terreno em Torrejón pela Tectum .

Além desse tipo de operação, O BTR (Build to Rente) e a PRS (private rented sector) continuam as parcerias entre promotoras e fundos de investimento com o objetivo de desenvolver o parque habitacional para arrendamento. Assim, La Finca estuda o arrendamento de parte do seu projeto habitacional de primeira linha em Madrid. Além disso, a Aedas Homes vendeu para a empresa Lazora um portfólio de 300 habitações para promover para arrendamento.

No domínio do mercado, a Euribor registou a sua primeira subida , embora seja negativa há 5 anos. A empresa em Madrid aguarda a contagem regressiva para licitar o terreno mais rentável do Plano Vive para alugar em Madrid, que analisamos com os nossos B-Exclusives.

 

Logística

O mercado continua a afirmar o seu estatuto de porto seguro com o novo investimento normal e atraente. É uma onda que percorre toda a Europa, o investimento em logística chegou a 39 bilhões em 2020 , 24% a mais que a média dos últimos 5 anos, segundo a Savills. Em Espanha, Catalana Occidente fecha o seu primeiro investimento logístico com a compra de 6 armazéns.

Mas como uma operação singular, deve-se destacar que Indosuez e Azora criam a primeira última milha logística da Socimi . A Socimi da sociedade gestora espanhola e da entidade francesa recebeu o nome de Milepro e pretende levantar 60 milhões de euros de capital em abril. O grupo americano Scanell contrata Javier Inchauspe, ex-Merlin , para a sua chegada ao mercado imobiliário espanhol, onde prepara duas compras de terrenos.

No jornal, foi feita uma análise sobre a Amazon, a gigante americana do e-commerce que acumula 29 ativos em Espanha , entre grandes plataformas, hubs e escritórios. A Panattoni pretende investir 190 milhões de euros no desenvolvimento de 12 projetos logísticos na península, que totalizarão mais de 200.000 metros quadrados. E a Mountpark aluga para  a Carreras o maior centro de logística construído em risco em Espanha.

 

Retalho

Os dois tipos de ativos mais procurados têm sido os supermercados, com volumes por operação inferiores a 10 milhões de euros, e estabelecimentos comerciais em locais exclusivos. Por exemplo, Brickbro tem 25 lojas em Madrid e Barcelona avaliadas em 14 milhões.

As operações que mais se destacaram no período analisado foram a compra pela BMO das instalações localizadas na rua Portal del Ángel, números 9-11, em Barcelona, ​​pelo valor de 80 milhões de euros e a venda de uma carteira de 22 supermercados Eroski ao fundo de investimento britânico Blackbrook por um valor aproximado de 59 milhões de euros.

Na área dos centros comerciais, a Genesis comprou o shopping center Sevilla Factory da Bentall Green Oak. A start-up de Juan Roig, Jeff, fechou um acordo para arrendar até 7.500 instalações adquiridas por veículos de investimento White Invest.

Além disso, Baraka adiciona ao seu portfólio 11 lojas Conforama em Espanha e Portugal por 140 milhões. Paralelamente, o conflito entre a Aena e os promotores comerciais continua.

 

Escritórios

O teletrabalho continua a impactar o mercado de escritórios, como se ouviu no  Podcast que elaborámos em brainsre.news Espanha,  sobre o futuro deste mercado. Assim, o investimento cai 48% para 2.000 milhões de euros em 2020, de acordo com a KF. Mas isso não prejudica as operações, o fundo Corum compra os escritórios de Las Rozas, ocupados pelo ex-Foster Wheeler. Iberdrola Inmobiliaria coloca no mercado 25.000 m2 de escritórios em Madrid, ao mesmo tempo que vende outro imóvel em Málaga a Innovalis, um comprador com quem se repete.

Mazabi , o gestor espanhol, colocou à venda o edifício de escritórios Recoletos 23 em Madrid por 12 milhões de euros  e  não descarta a venda do imóvel onde pretende construir um hotel de luxo em Atocha, enquanto finaliza investimentos de mais de 400 milhões em Espanha.

 

Hotéis

Este setor continua a sofrer os efeitos da pandemia e os diferentes graus de confinamento. Assim, soube-se que as  dormidas em hotéis diminuíram 86,5% em fevereiro e a faturação 28%.

Com esta paralisação da atividade, há notícias de reajustes de preços de ativos, resultando em operações de diversos tipos. O último, Smart Rooms, adquirido pelo hostel UMA House Pau Claris de Barcelona . Urbania também vende um hotel para Greystar, AXA e CBRE GI em Valência.

As ilhas estão muito ativas como foco de transações, a Navis finaliza a compra de quatro hotéis nas Baleares e nas Ilhas Canárias. E também é tempo de se desfazer das redes, assim, a B&B vende o seu mais recente hotel na Península Ibérica. Outro desinvestimento é realizado pela Oca Hotels, que comercializa dois hotéis em Espanha e foca a sua expansão no Brasil e em Portugal.

O grupo israelense Nistba compra o Hotel Cortés em Barcelona por nove milhões. Finalmente, o Socimi Millenium registrou perdas de 15 milhões em 2020, apesar de aumentar a sua receita em 77%.

 

NPL’s

Nos próximos anos, grandes carteiras de pequeno e médio porte chegarão ao mercado, com reajuste de preços, segundo especialistas reunidos numa apresentação organizada pela DD Talks , que reflete o interesse despertado por esse negócio. Até ao momento, em 2021 ocorreram transações de NPLs no valor de 700 milhões de euros, prevendo-se que este valor aumente para 7.100 milhões no final do ano.

Sabadell e BBVA lideram as vendas de carteiras tóxicas, ambas as entidades alienaram carteiras no valor de 1.850 milhões de euros. A firma Quinlan prepara compras através de dívidas no valor de 100 milhões de euros . E o fundo Oaktree foi desinvestido em Espanha com uma securitização de ativos de 740 milhões

 

Fonte: brainsre.news

Partager cet article