Na imprensa
Fundos da Corum investem €132,7M no segundo trimestre
26.08.2020
Entre abril e junho, os fundos de investimento da sociedade francesa Corum adquiriram um total de 8 edifícios na Europa, num investimento total de 132,7 milhões de euros.

O investimento foi feito através dos fundos Corum Origin e Corum XL, um reforço de carteira que inclui aquisições na Holanda, Itália, Polónia, Noruega e Reino Unido. Destaque para a aquisição de um edifício no valor de 62 milhões de euros na Polónia, onde trabalham 1.500 colaboradores da empresa de transportes DSV, ou para a aquisição de um edifício na Noruega que alberga um concessionário e centro de assistência da Tesla.

José Gavino, diretor da Corum em Portugal, onde os fundos em causa já investiram mais de 60 milhões de euros, comenta em comunicado de imprensa que «estas aquisições inserem-se nos planos de longo prazo dos nossos fundos. A pandemia da Covid-19 veio reforçar a nossa estratégia de investir na economia real. Estamos convencidos de que o valor dos nossos imóveis está na qualidade do arrendatário e na sua capacidade de pagar renda a longo prazo».

O responsável explica que «os novos edifícios apresentam rentabilidades iniciais interessantes que chegam aos 8,48% e têm arrendatários de setores como as telecomunicações, transporte internacional de mercadorias, bricolage ou carros elétricos. São setores que mostraram grande resiliência e até crescimento durante o período de confinamento na Europa».

Estes dois fundos da Corum investem exclusivamente em imóveis comerciais, e a gestão dos ativos é feita integralmente pela Corum. José Gavino avança que «esta estratégia permite-nos uma proximidade muito grande com os arrendatários e foi esta proximidade que nos permitiu atuar de imediato quando a pandemia chegou à Europa e tomar medidas que melhor se ajustassem às necessidades dos nossos arrendatários e dos nossos acionistas».

Exemplifica que «os pedidos de diferimento ou anulação de rendas foram baixos e procurámos soluções favoráveis a ambas as partes. Outra característica Corum, que tem ajudado a amortecer os choques provocados pela Covid-19, é a grande diversificação geográfica dos imóveis e a diversificação sectorial dos arrendatários. Na prática, a conhecida teoria de não colocar todos os ovos no mesmo cesto», resume.

A Corum gere atualmente mais de 4.000 milhões de euros em soluções de poupança. A sua estratégia tem permitido aos dois fundos (com mais de 50.000 acionistas em todo o mundo) manter o pagamento de dividendos durante a pandemia, com valores próximos dos montantes pagos antes da crise sanitária.

José Gavino espera que «o período de confinamento tenha ficado para trás, ainda que as consequências económicas e sociais se continuem a sentir neste e no próximo ano». Está convicto de que «a prática forçada do teletrabalho, a agitação no turismo e os novos modos de consumo induzem potenciais transformações do mercado imobiliário. Estamos muito atentos a esta nova realidade. Vamos continuar a pensar, e a agir, tendo em vista o longo prazo. Não temos quaisquer dúvidas de que, tal como sempre acontece em períodos de crise, vão continuar a surgir oportunidades de compra. Mas, queremos tirar partido dos mercados imobiliários, em vez de nos submetermos a eles», conclui.

 

Fonte: Vida Imobiliária