Na imprensa
Corum está "à procura de oportunidades para investir" na compra de imóveis em Portugal
25.02.2021
Fundos da gestora de poupanças francesa presente no mercado nacional captaram mais de 500 milhões de euros em 2020.

A Corum Investments conquistou 11 mil novos clientes no ano passado, que aplicaram 509 milhões de euros nos fundos da sociedade gestora de investimentos francesa, presente em Portugal desde 2019. A gestora de poupanças fechou o ano com quase 4 mil milhões de euros de ativos sob gestão e perto de 60 mil acionistas. E os fundos comercializados no mercado nacional, o Corum Origin e o Corum XL, registaram performances de 6% e 5,66%, respetivamente.  

Em 2020, os fundos imobiliários da Corum Investments "continuaram a apresentar desempenhos sólidos e excederam, uma vez mais, os objetivos fixados", informa em comunicado, detalhando que "num ano profundamente marcado pela pandemia da Covid-19, a taxa de ocupação dos imóveis, detidos e geridos por ambos os fundos, manteve-se a um nível muito elevado (taxa de ocupação financeira superior a 98%), e a taxa de cobrança de rendas esteve próxima do normal".

O impacto dos efeitos da Covid-19 nas rendas foi marginal, tendo reduzido a rentabilidade anual do Corum Origin em apenas 0,08% e do CORUM XL em apenas 0,04%.  

“Num ano sem precedentes, a mereceu a confiança dos investidores europeus, que nos permitiram angariar mais de 500 milhões de euros. Oferecer novas soluções de poupança foi um elemento chave da nossa estratégia para satisfazer as necessidades e exigências dos aforradores. A satisfação dos nossos clientes é a nossa prioridade, tanto em termos de desempenho, serviços e diversidade de investimentos”, declara José Gavino, diretor da Corum em Portugal, citado na mesma nota de imprensa.

Para 2021, a gestora de poupanças francesa mantém a estratégia de investimento de diversificar ativos e procurar imóveis que sejam compatíveis com o objetivo de desempenho, aproveitando as oportunidades geradas pela situação económica no mercado imobiliário. 

Tendo em conta que "2021 oferece perspectivas mais tranquilizadoras em termos de saúde", a sociedade espera uma "recuperação económica mais forte a partir da primavera", frisando que, no entanto, "vamos acompanhar de perto as incertezas ligadas à COVID-19 e ao calendário de vacinação", porque "neste momento temos ativos em setores como a logística e supermercados a valorizar, e ativos como os hotéis a desvalorizar”. 

A Corum gere os imóveis que adquire e argumenta que o facto de centrar a aquisição dos imóveis em contratos de longo prazo e arrendatários com grande capacidade financeira, bem como a proximidade que mantém com os seus inquilinos permitiu-lhe, desde o início da pandemia, identificar as necessidades dos arrendatários e evitar incumprimentos nos pagamentos de renda ou rescisões de contratos. 

No ano passado, os fundos da Corum investiram cerca de 680 milhões de euros e, pela primeira vez, foi realizado um investimento fora do continente europeu. O Corum XL adquiriu uma propriedade industrial localizada na área da Grande Montreal, na província do Quebeque. O investimento superou os 16 milhões de euros e o edifício é ocupado por uma farmacêutica. 

 

Fonte: Idealista