A aquisição de unidades de participação no fundo CORUM (SCPI) é um investimento imobiliário: trata-se de um investimento de longo prazo cuja liquidez é limitada e, o capital e os rendimentos não são garantidos.

Perguntas frequentes sobre investimentos imobiliários

O que é o prazo de fruição?

Este prazo representa o período teoricamente necessário para investir os fundos dos novos detentores de participações em novos imóveis que integrarão o património.

É no final desse prazo que cada novo detentor de participações pode receber o seu 1.º dividendo.

Qual é a tributação da CORUM?

Os rendimentos obtidos são rendimentos prediais. A CORUM é fiscalmente transparente. Portanto, não é a CORUM que está sujeita ao imposto mas sim os próprios participantes, de acordo com o número de unidades de participação que detenham, como se possuíssem diretamente um bem imobiliário. Todos os anos, a sociedade gestora indica aos participantes os montantes a declarar enviando-lhes uma nota explicativa para a sua declaração fiscal.

Qual é o prazo de detenção aconselhado?

O período recomendado de conservação das unidades de participação está compreendido entre 8 e 12 anos e a liquidez do investimento é limitada.

Quais são os custos de gestão e o que englobam?

O participante CORUM recebe dividendos mensais isentos de quaisquer encargos e que incluem a remuneração da sociedade gestora até 13,20% (impostos incluídos) das rendas cobradas, cobrindo a gestão dos imóveis e a gestão administrativa, contabilística e jurídica.

O que é que acontece às unidades de participação CORUM em caso de morte?

Em caso de falecimento, as unidades de participação CORUM serão integrados nos ativos sucessórios como qualquer outro bem imobiliário clássico. As unidades de participação são por outro lado mais fáceis de transmitir em herança, uma vez que são facilmente divisíveis. Após a partilha da sucessão ser efetuada pelo notário, este último informa a sociedade gestora e fornece-lhe a identidade dos novos portadores de unidades de participação (os herdeiros).

Quais são as informações relativas a CORUM que são comunicadas aos investidores?

A Corum AM disponibiliza múltiplos documentos, nomeadamente os estatutos, a nota informativa, o relatório anual e os boletins de informação trimestrais. Estes documentos também podem ser consultados no site www.corum.pt. O relatório anual e os boletins trimestrais acompanham a evolução do património imobiliário e financeiro de CORUM. Incluem também análises e recomendações da sociedade gestora e do conselho fiscal.

Qual é a frequência da distribuição de dividendos?

A frequência do pagamento dos potenciais dividendos é mensal. Os dividendos são pagos mensalmente no dia 10, sendo enviado um aviso de transferência trimestralmente aos detentores de participações.

Quando se realiza o primeiro pagamento de dividendos?

As unidades de participação dao fundo não conferem imediatamente direito às receitas que lhe são inerentes. As unidades de participação entram em fruição no 1.º dia do 6.º mês após a subscrição e respetivo pagamento.  Os primeiros dividendos de unidades de participação de CORUM são pagos a 10 do mês seguinte à entrada em fruição dos fundos.

Há despesas de subscrição?

As despesas de subscrição estão incluídas no preço de subscrição das unidades de participação de CORUM. Incluem as despesas de angariação de fundos e as de pesquisa de investimentos. Correspondem a 11,96% (todos os impostos incluídos), do preço da subscrição. No entanto, não são retiradas ao seu investimento no momento da subscrição, apenas no momento do resgate.

É possível subscrever unidades de participação da CORUM diretamente em nome de filhos ou netos?

Sim, preenchendo o boletim de subscrição diretamente em nome do destinatário e enviando à sociedade gestora o registo de doação efetuado previamente (CERFA ou escritura notarial).  Esta operação constitui uma doação isenta de direitos de registo se cumprir os limites legais em vigor.

O que é uma compra em partição?

Muitas vezes desconhecido, este mecanismo de investimento baseia-se num princípio simples: a partição da propriedade de pleo direito em usufruto e nua propriedade por um prazo determinado entre 3 e 20 anos. (Referência para a página como investir - investir em partição)

É possível comprar unidades de participação CORUM a crédito?

Sim é possível comprar unidades de participação CORUM a crédito. Este tipo de financiamento permite ao comprador cobrir parte das suas mensalidades com os rendimentos das unidades de participação (Referência para a página como investir - investir a crédito). Chama-se a atenção dos subscritores para o facto de a obtenção de financiamento para subscrição a crédito de unidades de participação CORUM não estar garantida e depender da situação patrimonial, pessoal e fiscal de cada cliente. Em caso de investimento a crédito, chamamos a atenção para o pagamento dos juros do empréstimo e para o reembolso do capital em situação de desaceleração do mercado imobiliário. Se o desempenho das participações adquiridas a crédito não for suficiente para pagar o empréstimo, ou em caso de preços mais baixos aquando da venda das participações, o subscritor terá de suportar a diferença.

Quem são os arrendatários dos imóveis detidos pelas SCPI?

As SCPI arrendam os seus ativos a grandes empresas, a PME, a comerciantes, a industriais de hotelaria, a estabelecimentos de saúde, a empresas de logística ou a repartições. O objetivo de uma SCPI é possuir arrendatários estáveis com contratos de longa duração e com perfil financeiro sólido, no sentido de se reduzir o risco de faltas de pagamento e de não ocupação.

Qual é a composição do património de uma SCPI?

O património de uma SCPI consiste principalmente em imóveis profissionais como escritórios, lojas, hotéis, centros de atividades e de centros de logística. A título complementar, pode incluir investimentos financeiros e ativos líquidos. A composição do património de uma SCPI é importante: quanto maior é a diversificação (tipologia, locais geográficos, etc.), mais o risco da locação é reduzido, contribuindo pra uma maior regularidade dos rendimentos.

Quem controla a sociedade gestora?

A sociedade gestora encontra-se sob a tutela da Autoridade dos mercados financeiros (AMF) francesa, que lhe atribui homologação e assegura a sua monitorização ao longo das suas atividades. Além disso, o Conselho Fiscal, órgão representativo dos participantes das SCPI que inclui 7 a 12 membros eleitos pela Assembleia-geral, tem por missão auxiliar e controlar a gestão realizada pela sociedade gestora.

Qual é o papel da sociedade gestora?

A sociedade gestora assegura a gestão do património imobiliário: neste âmbito, procura activos imobiliários, procede à aquisições, realiza as negociações com os arrendatários, cobra as rendas e aliena os imóveis.  É ela que gere também a captação de recursos e as relações com os participantes, bem como a gestão administrativa, contabilística e jurídica, e nomeadamente a distribuição de lucros. Tem ainda a obrigação de divulgar os documentos de informação periódicos (relatório anual, estatutos, nota informativa e boletins trimestrais de informação).

Existe o risco de perda de capital?

Como em qualquer investimento imobiliário, o investimento em SCPI apresenta o risco de perda de capital.  Consultar os inconvenientes das SCPI.

Os rendimentos são garantidos?

O pagamento dos rendimentos potenciais não é garantido e tanto pode flutuar positiva como negativamente, em função da evolução dos mercados imobiliários e das taxas de ocupação do património imobiliário.

Quais são os inconvenientes da SCPI?

O investimento em unidades de participação da SCPI implica alguns riscos: a rendibilidade e os preços das unidades de participação podem ser inferiores às espectativas, mas esse risco é atenuado graças a uma correta diversificação do património; o capital e as receitas não são garantidos e podem evoluir tanto positiva como negativamente, de acordo com a conjuntura imobiliária; a liquidez das unidades de participação da SCPI é limitada e a sociedade gestora não garante essa liquidez; finalmente, trata-se de um investimento a longo prazo cuja tributação pode ser elevada.

Quais são as vantagens da SCPI?

O investimento em unidades de participação em SCPI apresenta vantagens específicas que se acrescem às de um investimento directo em imobiliário. Em primeiro lugar, a administração dos bens imóveis é efetuada por uma sociedade gestora homologada pela Autoridade dos Mercados Financeiros (AMF) francesa: não é necessário ter preocupações com cobranças de rendas, obras a realizar ou procura de arrendatários no caso de desocupação dos locais. Por outro lado, o investimento coletivo permite a mutualização dos riscos por todos os ativos e arrendatários que constituem o património, o que permite estabilizar a rendibilidade. Finalmente, o investimento em unidades de participação da SCPI pode ser reduzido, ao contrário de um investimento directo: é possível adequar o investimento às capacidades financeiras pessoais e entrar assim no mercado imobiliário profissional, que normalmente está reservado a investidores institucionais.

O que é uma SCPI?

Uma Société Civile de Placement Immobilier (sociedade civil de investimento imobiliário) é uma empresa que tem como objectivo a aquisição, gestão e valorização de um património imobiliário para arrendamento. Capta os recursos junto de investidores, remunerando-os com rendimentos líquidos de despesas de gestão, de seguros e de impostos prediais.