A aquisição de unidades de participação no fundo CORUM (SCPI) é um investimento imobiliário: trata-se de um investimento de longo prazo cuja liquidez é limitada e, o capital e os rendimentos não são garantidos.

Glossário do investimento

SCPI

A SCPI é uma das soluções existentes para a realização de um investimento em arrendamento residencial ou profissional. Este produto financeiro permite deter em copropriedade um conjunto de bens arrendados. Esta aplicação imobiliária, que é coletiva, pode permitir a distribuição regular entre os subscritores de rendimentos provenientes das rendas.

SCPI, porquê investir neste fundo de investimento?

Uma SCPI é uma sociedade civil de investimento imobiliário. É um investimento financeiro coletivo em imóveis residenciais ou profissionais, novos ou usados, que pode ser complementar à compra de imóveis em nome pessoal. A primeira vantagem é que a gestão dos bens arrendados é assegurada por profissionais, libertando assim o subscritor da SCPI desse fardo (em contrapartida das despesas de gestão). Além disso, permite a detenção de uma carteira imobiliária diversificada. 

Produto financeiro que engloba despesas de aplicação imobiliária 

Este tipo de investimento implica comissões de subscrição e de gestão que permitem à sociedade gestora da SCPI a aquisição e a gestão de um parque imobiliário deste tipo e dos respetivos serviços. Podem existir também outros tipos de despesas durante a vigência da SCPI, nomeadamente aquando da alienação de imóveis ou de unidades de participação...

Diferentes produtos de investimento imobiliário indiretos

Existem duas grandes famílias de SCPI, que diferem entre si pela natureza dos respetivos patrimónios. Em primeiro lugar, há SCPI empresariais, detentores de um parque composto por bens profissionais, como, por exemplo escritórios, lojas ou armazéns. Em segundo lugar há outras que propõem investimento residencial, baseado em dispositivos tributários como a Lei Pinel, que dão direito a abatimentos de impostos.

Obrigações legais para as SCPI

Todas as soluções de poupança com recurso a fundos de particulares são reguladas pela Autoridade dos Mercados Financeiros (AMF) francesa. Em virtude disso, as SCPI têm de transmitir antes de qualquer subscrição e durante toda a sua vida, informações precisas para que o investimento se realize com toda a transparência. As informações a publicar têm de incluir os estatutos da SCPI, a nota informativa, os relatórios anuais e ainda os boletins trimestrais.