A aquisição de unidades de participação no fundo CORUM (SCPI) é um investimento imobiliário: trata-se de um investimento de longo prazo cuja liquidez é limitada e, o capital e os rendimentos não são garantidos.

Glossário do investimento

APARTAMENTO

O apartamento é uma unidade habitacional que faz parte de um imóvel. Pode ser comprado, vendido ou arrendado para fins residenciais. É ocupado por um inquilino com contrato de arrendamento ou pelo respetivo proprietário.

Apartamento: definição por número de divisões

O preço de um apartamento depende nomeadamente do número de divisões que ele contém. A renda corresponde aos mesmos critérios. Trata-se de um valor chave, expresso com a letra T, F ou P, seguida de um algarismo de 1 a 6. Por exemplo, um T1 é um apartamento com uma divisão principal, “onde a sala também serve de quarto”. A casa de banho e a cozinha não são contabilizadas. Um estúdio é um caso específico de T1 em que a cozinha não se encontra separada.

Relação entre arrendatário e proprietário

Possuir uma habitação e arrendá-la implica gerir as relações com o arrendatário, de acordo com um contrato de arrendamento assinado por ambas as partes. O proprietário compromete-se a disponibilizar ao ou aos arrendatário(s) o apartamento para uso residencial. Em contrapartida, tem de lhe ser paga mensalmente uma renda. Tem também de ser realizada manutenção para que a habitação possa ser restituída no mesmo estado em que se encontrava na primeira visita.

O apartamento como investimento

Investir num apartamento que não constitua residência principal pode permitir ao seu proprietário adquirir receitas adicionais provenientes das rendas pagas. É o que se designa um investimento em locação. Trata-se também de um investimento a longo prazo, porque este tipo de habitação pode ser alvo de uma procura importante. Por outro lado, o bem tem tendência a apreciar-se ao longo do tempo, de acordo com a sua localização.

Leis que enquadram a gestão de um apartamento

O setor imobiliário envolve múltiplos protagonistas, e daí a necessidade de legislação para regular o mercado. A “loi pour l’accès au logement et un urbanisme rénové (ALUR)”, por exemplo, destinou-se a melhorar as condições de habitação dos agregados familiares, reduzindo os honorários das agências. O dispositif Pinel por outro lado, facilita os investimentos em locação mediante reduções de impostos.